Recent Posts

domingo, 25 de outubro de 2009


What I like about you

You hold me tight
Tell me I'm the only one
Wanna come over tonight?

Warm whispering in my ear
Tell me all the things that I want to hear
'Cause it's true
That's what I like about you

What I like about you
You really know how to dance
When you go up down, jump around
Talk about about true romance

Warm whispering in my ear
Tell me all the things that I want to hear
'Cause it's true
That's what I like about you
That's what I like about you
That's what I like about you

What I like about you
You keep me warm at night
Never wanna let you go
You know you make me feel alright

Warm whispering in my ear
Tell me all the things that I want to hear
'Cause it's true
That's what I like about you
That's what I like about you
That's what I like about you
That's what I like about you
That's what I like about you
That's what I like about you
That's what I like about you

sábado, 24 de outubro de 2009

Cruela, coração de pedra.




Amar dói. Machuca. Por que ninguém sabe amar. Não do jeito que você merece ser amado. Não do jeito que se devia amar alguém. Entregar a alguém seu coração é perigoso. Ele pode não perceber que tem algo tão valioso, e acabar quebrando-o. Ou pior. Conhecer o valor, e destrui-lo mesmo assim.

Você pode se decepcionar. Pode se desesperar. Pode achar que sua vida acabou. Se você for fraco o bastante pra isso. Eu sou forte. Não entreguei meu coração a ninguem, por que sabia que não valia a pena. Aprendi a não confiar nas pessoas. Sei o que elas são capazes de fazer. 

Agora, que finalmente o fiz, estou destruída. Estão na mão de pessoas que não posso controlar. Por que não satisfeita em dar o caração a uma única pessoa, eu o parti em dois. E agora não sou mais minha. Sofro por situações e momentos que não são meus. Eu choro. Eu amo. Eu sinto. E, Deus, como isso é horrível.

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Every me, Every you.




É viado, já faz um ano. E eu aqui de novo.

É viado, já são cinco anos. E eu sempre aqui.

Você sempre sabe onde me achar e eu aparece sempre que precisar. Nós somos amigas, irmãs, metade metade. E isso nunca vai mudar. Por que mesmo depois de tanto tempo, a gente ainda anda no mesmo passo.

Nosso ano foi meio frustrado, e nossos dias preferidos foram meio sabotados. Parece que ninguém quer deixar a gente se divertir. Mas nos divertimos mesmo assim, até mesmo passando pela Ilha de Lost. E, mesmo com tudo mudando, nós estamos exatamente iguais.

Então, pare de arrancar cabelo e seja mais paciente. Deixe de reclamar da sua mãe e sinta mais saudade dela (eu sei que é difícil quando você a vê o tempo todo, acredite), por que um dia ela vai morrer, e você vai se arrepender de não a ter amado mais. Pare de se sentir vazia, mais quando o vazio é tão grande que sufoca. Você é uma das pessoas mais talentosas que eu conheço (uma das mais bonitas também), e vai conseguir fazer o que quiser (assim que descobrir o que é).

Mas não pense que é pra ser gentil e bege. Por Deus, não. Nós somos más, viado. Sempre fomos. Sempre seremos.

Não guarde tanto ódio das pessoas. Rancor dá câncer. Em vez disso, você fode bastante com a vida delas, até se sentir bem. (Y) Desenhe mais, nem que sejam rabiscos. Escreva mais, nem que fique uma merda. E esqueça o cansaço, mesmo ele sendo tão constante.

Não fique tão preocupada com o dinheiro. Sempre nos divertimos sem nada, e mesmo com esse lugar fodendo com tudo, ainda damos umas boas risadas. Tudo bem, que não dá pra esquecer que tá todo mundo na merda, mas pensar não faz brotar notas de cem das orelhas. Em vez disso, pegue um de seus inúmeros talentos, e faça com ele algo que você goste. Se fizer bem feito, com certeza a recompensa virá. Mas é como diz minha mãe: "Quem trabalha não tem tempo de ser rico."

Muita coisa em volta mudou, viado. E eu aqui dando conselhos que nem mesmo eu consigo seguir.

Meu japaderno está abandonado. Tenho quase certeza que o seu também. Algumas coisas se tornaram mais importantes que outras. Mas eu cntinuo admirando você. Por ser tão intensa. Tão libriana. E que não importe o quão capricorniana eu seja, você ainda me faz sorrir. Inacreditável, não?

Então, girasol, pra manter tradições, feliz aniverssário, ou... whatever.

Every mine.

Every thine.

Every ours.

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Friendship.



Eu me distanciei de muita coisa. Dos meu passatempos e distrações. Me distanciei dos meus talentos. Me distanciei a minha casa. Eu me distanciei dos meus amigos. Me distanciei do meu amor. E simplesmente não sei como voltar.


Eu não sei como ser quem eu era. Eu não sei como parar de crescer. Não sei como impedir que outras pessoas tomem o lugar que era meu. Não sei como deixar de ser fria e cruel. Como deixar de ser ciumenta e invejosa. Quero me lembrar de sorrir.


O único problema que é que eu sorrio pras pessoas que importam. E a muito tempo eu não as vejo. Eu comecei a me sentir invisível. Desprezivel. Substituível. Eu não me lembro mais como me tornar importante. Como ser intensa e surpreendente. Eu me sinto cinza.


Me sinto cercada de gente que nunca vai ser como eu. Que nunca vai completar minhas frases e entender o que eu preciso. Que não sabe do meu gosto e não entende sarcasmo. Que não vê o carinho em cada gesto. Gente que eu não amo. Que nunca vai ser parte de mim.


Eu realmente quero minha vida de volta.